07 pecados que os palestrantes devem evitar
26 de julho de 2016
0

Trabalho com eventos há muito tempo. Aos 14 anos organizei os meus primeiros eventos, na época vendia cardgames, livros de RPG e organizava encontros e torneios.

Aos 16 anos iniciei o curso técnico de Planejamento e Realização de Eventos no CEFET, atual IFPA, e sempre participei o máximo possível de eventos que eu pude. Seis anos depois, iniciei o curso superior de Comunicação Multimídia e durante o meu tempo de faculdade, fui a várias feiras no HANGAR e participei de muitos cursos e workshops.  Depois de formado, comecei a ministrar palestras e cursos paralelo as minhas atividades e há dois anos a empresa em que trabalho focou suas atividades na realização de eventos e cursos.

Nesses anos vi na prática a importância de um evento, seja um curso ou uma palestra, para o engrandecimento profissional de universitários e veteranos. Sempre admirei pessoas que estavam dispostas a compartilhar seus conhecimentos com os outros. Mas nem tudo são flores, existem vários profissionais que não estão preparados para ministrar cursos e palestras, eu mesmo cometi vários erros quando iniciei. Pensando nisso vou compartilhar neste post 7 pecados básicos que alguns palestrantes cometem.

1 – Quebrar a expectativa do público

É muito comum uma pessoa se inscrever em um evento por causa de uma palestra específica e com isso criar uma expectativa enorme. Será o momento em que o participante irá tirar uma dúvida que está atrapalhando ou atrasando o seu trabalho, daí a pessoa chega ao evento e o palestrante fala sobre um assunto totalmente diferente. Não importa se o cara está apresentando uma novidade, tem um slide bem elaborado e uma boa desenvoltura, se o que foi divulgado não foi abordado, com certeza quem foi ao evento pode ficar muito desapontado. Isso pode ocorrer por dois motivos:

Problema de comunicação entre a organização e o palestrante

Na cabeça do palestrante será abordado o tema X com objetivo Z, mas a organização do evento está divulgando o tema errado ou fazendo promessas desconexas com a proposta do palestrante. Nesse caso é obrigação do palestrante deixar bem claro o que ele irá apresentar no dia do evento já no fechamento do contrato e monitorar a divulgação para verificar se está conforme o acordado, e se necessário solicitar alterações na comunicação para a equipe organizadora do evento.

Fugir do tema

O segundo motivo é por causa do próprio palestrante. A organização do evento divulga o que foi acordado, e no dia do evento o palestrante aparece com outro assunto, seja porque ele não compreendeu de fato para que foi contratado ou por que resolveu alterar o tema em cima da hora sem comunicar ninguém, uma atitude nada profissional. Quebra a expectativa de alguns participantes e nesse caso basta uma pessoa se sentir lesada para afetar a imagem do promotor do evento e do palestrante. Criou-se um cliente insatisfeito e possível hater sem necessidade.

2- Não estudar o público antes do evento

Você pode ter ministrado a mesma palestra mil vezes, mas cada vez será diferente, seja pela atualização do conteúdo ou pelo público-alvo do evento, nesde segundo caso é necessário ficar muito atento aos conhecimentos prévios e os objetivos pessoais de cada público.

Uma palestra ministrada para universitários deverá ser diferente de uma ministrada para profissionais com muita experiência, pois públicos de áreas diferentes terão interesses diferentes, por exemplo, ao se falar de anúncio em mídias sociais para um designer é importante apresentar as possibilidades criativas, já para um empresário um enfoque no retorno do investimento poderá ser mais atrativo.

Procure saber quem é seu público e cuidado com os estereótipos, não menospreze o conhecimento prévio dos universitários ao se falar sobre mídias sociais por exemplo e nem crie expectativas de empresários, mesmo os com MBAs, pois eles podem estar zerados no assunto que irá apresentar. Converse com a organização do evento sobre o perfil do público antes de elaborar sua palestra.

3-  Ser narcisista

Cuidado com o excesso de “eu fiz”, “eu consegui”, “eu sou” entre outras frases similares. Você foi contratado para passar um conhecimento ao público e não ficar se exibindo, para isso você tem dois momentos muito bons para se “vender”, no início na sua apresentação e no final com o slide de contatos. Durante a apresentação, por mais que use exemplos dos seus resultados, foque no como foi feito e nos resultados obtidos e não em quem fez, deixe que o público crie uma admiração pelo seu conhecimento, e não pelo seu narcisismo.

4- Usar apresentações grotescas

De nada adianta você ser expert no tema e ter uma boa vontade para compartilhar o seu conhecimento se a sua apresentação for horrível, contendo slides com textos enormes, imagens de baixa resolução, cores agressivas e conteúdo desnecessário. Sua apresentação deve ser um parceiro da sua fala, complementando visualmente o que está sendo explanado.

Não ter apresentação é melhor do que ter uma apresentação malfeita.

5- Encher linguiça

Sua apresentação precisa ter um objetivo claro. Se você foi contratado para explanar sobre a importância de uma boa fotografia em publicações no Instagram, não ocupe o tempo da plateia com dados sobre uso da internet, monitoramento ou qualquer outro assunto que não esteja no escopo da palestra.

6- Não ter empatia com o público

Como eu disse no tópico 01, às vezes as pessoas necessitam tanto daquele conhecimento que criam uma expectativa enorme sobre a palestra. Tenha paciência quando um participante insistir na mesma pergunta e busque entender qual o problema dele e como você pode ajudá-lo. Às vezes você precisa usar exemplos que não estão nos slides ou falar de tópicos relacionados ao tema que não estavam no planejamento. Se você pode em pouco tempo resolver o problema do participante, seja qual for aquele ajude, se não informe que a informação que ele deseja não tem relação com a palestra e passe depois links e meios dele resolver o seu problema.

7- Não passar o conhecimento

Não existe para mim frase mais idiota do que “o pulo do gato não se ensina”, primeiro porque vivemos em um mundo que em que tudo evolui rapidamente, o que é novidade hoje, amanhã poderá ser ultrapassado e segundo, se você não tem interesse em compartilhar o que sabe nem deveria virar palestrante, pois ao assumir esse papel você tem a responsabilidade de que ajudará o próximo com o conhecimento que possui.

 

Esses são alguns dos cuidados, na minha opinião, que quem deseja se tornar um palestrante deve ficar atento. Em breve escreverei mais sobre o assunto em meu blog e se você tem vontade de se tornar um palestrante entre em contato comigo, pois terei o maior prazer em ajudá-lo.

Opine!